Abrigo para a esperança: uma campanha para apoiar a resposta da Família Vicentina à guerra da Etiópia

 

Em 2022, ACNUR anunciou que mais de 100 milhões de pessoas no mundo foram forçadas a deixar suas casas, descrevendo esta cifra recorde como ” um marco dramático que poucos esperariam uma década atrás.”.

Grande parte deste movimento é motivado pela insegurança alimentar mundial e pela crise climática, porém a  força da subida recente se tem atribuído em grande parte a conflitos novos e em aumento.

Assim como o sofrimento na Ucrânia recebeu devidamente muita atenção mediática, para a Campanha de Natal da Aliança Famvin com as pessoas sem-teto (FHA em inglês) gostariamos de destacar uma das crises que receberam menos atenção, a de Etiópia. A campanha apoiará o trabalho da Família Vicentina dando apoio vital e esperança a quem tem sido afectado e deslocado pelo conflito.

A história de Eden

A Eden é uma mulher de 29 anos que vive em centros de acomodação para deslocados há mais de dois anos, em resultado do conflito na Etiópia. Os combates começaram na região norte de Tigray em Novembro de 2020 – entre o governo federal e as forças regionais – e os anos seguintes de conflito resultaram em consequências devastadoras. Pessoas deslocadas como a Eden enfrentam dificuldades inimagináveis – a alimentação, o abastecimento e o abrigo são limitados, e o trauma que sofreram está a ter um impacto significativo na sua saúde mental. A história individual da Eden é aqui contada com mais detalhe, mas infelizmente as suas experiências são partilhadas por muitos.

Antes da guerra

A Eden nasceu em Adigrat, e foi criada por uma mãe solteira numa família pobre. Ajudou a sua mãe trabalhando desde tenra idade, mas a mãe da Eden dedicou-se a garantir que os seus filhos frequentassem a escola e tivessem hipóteses de ter uma vida melhor. O irmão mais velho da Eden foi morto numa luta com apenas 17 anos de idade, deixando a Eden e a sua mãe com o coração partido. Determinada a ter sucesso, a Eden passou a licenciar-se em Administração e Gestão de Empresas. As suas conquistas continuaram ao terminar o mestrado, e mais tarde tornou-se professora universitária. A Eden tinha saído da pobreza, estabelecido uma boa vida para si própria, e conseguiu cuidar da sua mãe até à sua morte.

“Pela primeira vez em tanto tempo, fiquei verdadeiramente feliz. Tinha um futuro esperançoso à minha frente e a minha mãe tinha vivido tempo suficiente para o ver”.

A guerra

Infelizmente, a Etiópia ficou envolvida em discórdia política e étnica. Depois de receber abusos e ameaças com base no seu passado tigreano, a Eden perdeu a sua casa e o seu emprego, e teve de ir viver com a sua tia. Embora a Eden tinha conseguido encontrar um novo emprego, infelizmente as tensões continuaram a aumentar, tal como a ameaça de guerra. A luta eclodiu, e ela recebeu a notícia de que um ataque estava a aproximar-se rapidamente da sua localização. A Eden fugiu a pé, sem nada a não ser as roupas nas suas costas e os poucos mantimentos de emergência que conseguiu reunir.

A Eden foi sujeita a abuso físico e violência sexual por parte de soldados na sua viagem, um trauma horrível vivido por tantos outros durante o conflito. Muitos crimes de guerra foram evidenciados, com algumas estimativas afirmando que foram violadas 120.000 mulheres e menores. A Eden foi então ajudada a chegar a um abrigo temporário para deslocados internos, mas as condições eram horríveis – os espaços estavam superlotados e os alimentos eram escassos, com serviços essenciais como a banca e as comunicações indisponíveis.

Até agora, pelo menos 2,8 milhões de pessoas foram deslocadas das suas casas, muitas enfrentando circunstâncias semelhantes às do Éden. Estima-se que a insegurança alimentar e a subnutrição estejam a afectar mais de 13 milhões de pessoas em Tigray e regiões próximas, e que os serviços essenciais de saúde se tenham tornado extremamente limitados (dados da OMS).

A esperança

Através da ajuda da Família Vicentina, a Eden pôde aceder a um projecto-piloto que oferece apoio psicossocial aos sobreviventes de violência sexual relacionada com conflitos. Através de facilitadores treinados (que também são eles próprios sobreviventes), grupos de mulheres encontram-se para partilhar as suas histórias umas com as outras sem medo de serem julgadas. Embora a Eden se tivesse tornado muito retraída, ela assistiu a todas as sessões de grupo sem falhas. As sessões têm uma abordagem de “Escuta Activa Útil” – pioneira no Ruanda após o genocídio de 1994 – e têm como objectivo ajudar as sobreviventes a compreender melhor as suas circunstâncias, identificar estratégias de sobrevivência e construir a sua resiliência. Existe também uma casa segura com espaço para acolher até 80 sobreviventes, e podem ser distribuídos fornecimentos de emergência (tais como dinheiro e pacotes de dignidade) a quem deles necessite.

Se os esforços de angariação de fundos tiverem êxito, a Família Vicentina espera apoiar mais pessoas afectadas pelo conflito das seguintes formas:

  • Expandindo a provisão das sessões de apoio do grupo, para ajudar mais sobreviventes a curar de traumas relacionados com o conflito
  • Criação de um centro de trauma em Alitena – uma área com muitas pessoas a denunciar terem sido afectadas por violência sexual – com o objectivo de apoiar 1000 pessoas por ano.
  • Distribuir kits de recuperação pós-guerra para ajudar as pessoas a reconstruir as suas vidas – isto poderia incluir o essencial do lar, bem como kits de dignidade (sabão, pensos sanitários, etc.)

Os ramos da Família Vicentina estiveram entre os primeiros a responder a esta trágica crise na região, prestando assistência para salvar vidas a pessoas vulneráveis nas suas comunidades. Com o vosso generoso apoio, podemos ajudar a Família Vicentina a continuar a fazê-lo:

  • Fornecer alimentos essenciais às pessoas mais vulneráveis, e sem meios para consegui-los por si próprios.
  • Ajudar as pessoas afectadas por distúrbios de stress pós-traumático, fornecendo apoio psicossocial e emocional para ajudar à sua recuperação.
  • Apoiar as famílias para garantir o seu sustento e reconstruir as suas vidas.

* Os detalhes desta história foram ligeiramente alterados para proteger a identidade da beneficiária. Foram feitas alterações ao nome, idade e localização da beneficiária. As restantes informações fornecidas são exactas, tal como foram narradas pela beneficiária.

Para doações acima de GBP 1.000, recomendamos uma transferência bancária ou cheque. Entre em contato com fha.info@famvin.org para obter informações detalhadas.

Contexto

A Guerra de Tigray, Etiópia

Mencionado entre os conflitos esquecidos do mundo pelo jornal The Guardian , a luta que estalou em Tigray, Norte da Etiópia, em novembro de 2020 entre o governo federal e as forças regionais, e os dois anos seguintes de conflito tiveram consequências devastadoras.

Mais de 2 milhões de pessoas foram deslocadas das suas casas, sendo a grande maioria mulheres e crianças. A escalada de mortes civis e de destruição causada pela guerra levou o The New York Times a descrevê-lo como “um dos conflitos mais sangrentos do mundo contemporâneo”.  Parece que mais de 600.000 pessoas perderam a vida. Enquanto números significativos têm sido assassinados durante os ataques diretos, a maioria das pessoas morria devido à falta de comida ou assistência médica. A região tem estado em grande parte isolada da ajuda humanitária, tanto devido à diminuição das reservas de combustível como à falta de suprimentos. Em agosto, o Programa Mundial de Alimentação afirmou que caso a população da região de Tigray apresentasse uma necessidade de alimentação variada.

evidências claras de que foram cometidos crimes de guerra pelos dois bandos, incluindo violência sexual generalizada, sendo que alguns afirmam que a espantosa quantidade de 120,000 mulheres e menores foi violada.

A população residente na região viu cortar ao mesmo tempo os canais de comunicação, sistemas bancários e em alguns lugares a eletricidade. As crianças não têm ido à escola, o que, em plena pandemia, significa que a maioria das crianças perdeu três anos de escolaridade.

A resposta da Família Vicentina

A Família Vicentina está entre os primeiros a responder a esta trágica crise na região, fornecendo intervenções de ajuda vital enfocadas nos grupos mais vulneráveis em suas comunidades. Mesmo quando os suprimentos acabaram, eles continuaram a visitar aqueles que sofriam, para oferecer carinho e solidariedade nos momentos de necessidade.

Os ramos da Família Vicentina trabalhando na Etiópia estão comprometidos com o serviço dos mais empobrecidos, fornecendo serviços de saúde, educação, desenvolvimento comunitário e serviços pastorais, bem como respondendo às necessidades básicas de alimentação, água, saneamento e refúgio. Numa carta de inícios deste ano, um responsável da Família Vicentina diz:

Peço que orem por nós e se tornem nossas vozes que estão sendo silenciadas mais uma vez. Em nome dos empobrecidos, por favor, interceda para que essa loucura acabe, seu apoio é extremamente necessário agora. Esta é a conjuntura da qual não haverá como voltar atrás e, nesse momento, será mostrado como a humanidade pode prevalecer sobre a injustiça e a crueldade.”.

Houve um sinal de esperança recentemente, após o acordo de paz firmado pelos dois bandos em 2 de novembro, mas a situação da pós-guerra é desoladora e avassaladora. A população de Tigray esteve totalmente cercada por 2 anos: a gente perdeu suas casas, seus meios de vida e suas famílias foram destruídas. Muitos presenciaram e suportaram eventos severamente traumáticos. A comida ainda é escassa e as pessoas estão desesperadamente necessitadas.

Agora é um momento crucial para apoiar a Família Vicentina na Etiópia a ajudar suas comunidades a se recuperar deste conflito devastador.

Uma reflexão da Etiópia

Como os ensinamentos de São Vicente de Paulo ajudaram a Família Vicentina na Etiópia a enfrentar dois anos de guerra e a apoiar as pessoas ao seu redor?

O chamado de uma Filha da Caridade é imitar Jesus no espírito e no carisma de São Vicente, portanto, os valores vicentinos são valores evangélicos. O sofrimento foi uma experiência vivida por Nosso Senhor e São Vicente desde o nascimento até a morte, mas não os impediu de cumprir sua missão. Nos últimos dois anos, milhares de pessoas viveram a paixão de Cristo na Etiópia. De nossa parte, nossa vida lembrava a devastadora experiência da guerra na França do século XVII . São Vicente encorajou seus seguidores a se identificarem com o sofrimento dos habitantes por meio da oração e do sacrifício, em 1635, ao se tornar uma ponte entre os pobres e os influentes ou ricos, para salvar vidas que corriam risco de perecer. Os ensinamentos de São Vicente sobre a importância da oração, da imitação de Cristo, da confiança na Divina Providência, da caridade, do trabalho em rede e da entrega à vontade de Deus foram os motores que nos mantiveram firmes na caminhada. Isso nos ajudou a viver nosso chamado, a ousar servir vítimas e agressores sem calcular o custo, construir pontes de perdão e semear sementes de esperança.

São Vicente aconselhou um jovem coirmão, nomeado superior, a perguntar ao Filho de Deus: “Senhor, se estivesses no meu lugar, como agirias nesta ocasião?” (XI, 314). Um dos muitos incidentes desafiadores durante os últimos dois anos foi a prisão de nossas seis irmãs, simplesmente porque elas vêm de uma determinada tribo. Isso me lembrou da injustiça que São Vicente experimentou quando foi acusado de roubo, embora fosse inocente. Além disso, nossos valores vicentinos nos ajudaram a ver a pessoa com olhos de misericórdia e respeito, independentemente de sua origem, religião, etnia, ideologia política e ou mesmo suas contribuições para a guerra; responder às suas necessidades com bondade, generosidade e oração. São Vicente disse: “Busque a paz e siga atrás dela” (I, 264). Nossos valores me ajudaram em meu papel de liderança, escolhendo corajosamente a paz e apelando a minhas Irmãs para serem testemunhas visíveis de Jesus que continua sofrendo por aqueles que perderam tudo, inclusive seus entes queridos. É com coragem que construímos um futuro melhor. A nova perspectiva é ir além de fazer justiça para curar o passado e construir o futuro.

Irmã Hiwot Zewde

Filha da Caridade